imagem

Companhia Siderúrgica do Mearim Ltda.

PARTICIPAÇÃO 50,0%
CNPJ 06.357.907/0001-99
SEDE Natal, Rio Grande do Norte

A Aurizônia Petróleo S/A foi constituída em 2004 e possui duas filiais, uma no Rio de Janeiro (RJ) e outra em Mossoró (RN). A empresa tem como objeto social a exploração e produção de petróleo e gás natural, podendo atuar também na importação e exportação desses produtos.

Seu quadro gerencial e técnico é constituído por profissionais de alta qualificação técnica e vasta experiência operacional nas áreas de Geologia e Geofísica, Engenharia de Petróleo e demais disciplinas essenciais à execução eficiente de operações petrolíferas

Estratégia

A estratégia corporativa da Aurizônia Petróleo se apóia nos seguintes objetivos básicos:

  1. Realizar operações com custo reduzido e de acordo com as melhores práticas da indústria do petróleo;
  2. Construir uma reputação sólida como operador independente no setor terrestre de petróleo e gás natural do Brasil;
  3. Conduzir suas operações mediante o uso eficiente de novas tecnologias de Exploração & Produção.

Desde sua criação, a Aurizônia Petróleo obteve bastante êxito na elaboração de um portfólio balanceado de Exploração & Produção em bacias terrestres maduras do país. Dentre as áreas nas quais a Aurizônia Petróleo atua, podemos citar um conjunto expressivo de pequeno e médio risco exploratório nas Bacias Potiguar (RN) e de Sergipe-Alagoas.

Licitações e Concessões de Blocos Petrolíferos

A tabela abaixo sumariza o histórico de participação da Aurizônia Petróleo nos leilões da Agência Nacional de Petróleo (ANP) em diferentes rodadas de licitações de blocos petrolíferos.

Rodada ANP
Ano
Bacia
Nº blocos
Resultados
2003
Potiguar
6
Descoberta do Campo de João de Barro
2004
Potiguar
12
Descoberta do Campo de Periquito
2005
Potiguar
7
2 blocos retidos para 2º período exploratório
2005
Sergipe-Alagoas
4
2 blocos retidos para 2º período exploratório


 

Atualmente, a empresa possui concessões de Exploração & Produção em seis blocos, compreendendo uma área total de 158,3 km², na qual destacam-se:

  1. quatro blocos na Bacia Potiguar, perfazendo uma área de 98,1 km²;
  2. dois blocos na Bacia de Sergipe-Alagoas, perfazendo uma área de 60,2 km².

As diversas áreas de concessão obtidas pela empresa encontram-se em diferentes estágios de exploração ou desenvolvimento, conforme a tabela abaixo.

Campo / Bloco
Estágio de operação
Área (km²)
Campo de João de Barro
( Bloco BT-POT-302 )
Área Norte
Área em produção
3,9
Área Sul
Área a ser desenvolvida
11,5
Campo de Periquito ( Bloco BT-POT-790 )
Área a ser desenvolvida
10,9
Bloco BT-POT-298
Área em exploração
31,9
Bloco BT-POT-573
Área em exploração
39,9
Bloco BT-SEAL-417
Área em exploração
28,7
Bloco BT-SEAL-418
Área em exploração
31,5


Dentre as concessões acima citadas, destacam-se os campos de João de Barro e de Periquito.

Campo de João de Barro

Em 2004, ao perfurar o poço 1-AURI-2-RN no Bloco BT-POT-302, a Aurizônia Petróleo confirmou a descoberta do Campo de João de Barro, localizado na porção emersa da Bacia Potiguar, entre os municípios de Areia Branca e Serra do Mel, no Rio Grande do Norte. Ao longo de 2005, foram perfurados mais cinco poços, dos quais quatro se tornaram produtores de petróleo.

Em novembro de 2007, a Aurizônia Petróleo concluiu com sucesso a perfuração de um novo poço na Área Sul do Bloco BT-POT-302, comprovando a existência de novos horizontes produtores nessa área, que foi anexada ao Campo de João de Barro em janeiro de 2008.

Na Área Norte do campo, é produzido petróleo de 42 °API a uma profundidade de 1.800 a 1.850 metros. A produção acumulada de janeiro de 2006 até abril de 2008 já atingiu a marca de 130.800 barris de petróleo. A Área Sul será desenvolvida no período de 2009-2010 para produzir petróleo de 37 °API.

O petróleo produzido é comercializado com a Petrobras S/A, sendo transportado por carretas até o Terminal de Guamaré, de onde segue por navio petroleiro até a Refinaria Landulfo Alves, na Bahia.

Campo de Periquito

Em fevereiro de 2008, a Aurizônia Petróleo perfurou um novo poço na área do Bloco BT-POT-790 que resultou na descoberta de novas acumulações de petróleo.

A área avaliada da concessão, que compreendia o antigo Campo de Alecrim, devolvido pela Petrobras, teve a declaração de comercialidade aprovada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) em abril de 2008, passando a constituir o Campo de Periquito.

O Campo de Periquito produz atualmente petróleo de 28 °API, proveniente do poço descobridor, e de 35 °API de um poço antigo que foi reativado. O pleno desenvolvimento do campo se dará em 2009 e incluirá a perfuração de novos poços de desenvolvimento, com profundidades de até 550 m, e a construção de instalações de produção. 

Blocos Exploratórios

A Aurizônia Petróleo é ainda a companhia operadora de quatro concessões de blocos exploratórios adquiridos na 7ª Rodada de Licitações da ANP, feita em 2005, sendo dois blocos na Bacia Potiguar e dois na Bacia de Sergipe-Alagoas.

O compromisso do programa exploratório com a ANP inclui a perfuração de pelo menos um poço em cada bloco até janeiro de 2009. Em virtude de seu potencial exploratório, esses blocos foram selecionados para o segundo período de exploração dentre os 11 blocos inicialmente obtidos na 7ª Rodada.

A Aurizônia Petróleo possui concessões de Exploração & Produção em seis blocos, compreen-
dendo uma área total de 158,3 km².